quarta-feira, 29 de abril de 2009

Ilha da Madeira, minha terra...




DA ROCHA ENTALHADA
NO AR E NO MAR
A DIRECTRIZ DO MUNDO
DO SEU HORIZONTE
A ESPUMA QUE SE LEVANTA
NO AR
O SOL A NASCER
O MUNDO A DERRETER
A ILHA A NADAR
E A VIDA A CONSEGUIR
ASSIM É A ILHA DA MADEIRA
ASSIM É O MUNDO E O UNIVERSO
DA ILHA AO MAR SÃO PASSOS DADOS
NO HORIZONTE A ESPERANÇA DA EQUAÇÃO
QUE NA VIDA SE RESOLVE MAIS LIVRE TONTO
A VIDA DO MUNDO E A ESPERANÇA NO MAR
NO OLHAR DO HOMEM A SUA PERSEVERANÇA É LIVRE
A ILHA E A VIDA NO MAR É DE FACTO O SEU LUGAR
A ILHA NO MUNDO UNINDO-SE AO SEU FUNDO
E LÁ DESTACANDO O MESMO LOUCO QUE LÁ SURGIU
O MUNDO DA ILHA


Poema: Autor desconhecido
Fotos: Google
Montagem: Anatnaf

O verbo viajar

Na revista "La Mag", Inês Pedrosa, a propósito do tema viagens, diz: "Pueril ilusão, a de sermos móveis. Damos a volta ao mundo inteiro para evitarmos a vertigem que trazemos em nós. (...) O coração não viaja, e é escusado tentar enganá-lo."

Concordam?

NB: o desafio não é apenas para os poetas, porque, como diz a canção, "os desafinados também têm coração".

terça-feira, 28 de abril de 2009

Este mar também é bonito!



Apesar de mais quentinhas, falta a estas águas o cheirinho das algas e maresia das praias do Norte ...

Costumo aqui vir muitas vezes visitar as pegadas dos dinossauros marcadas nas falésias ao fundo da praia (ao mesmo tempo, lá vou reencontrando também as minhas pegadas de adolescente que também por aqui ficaram ;)



segunda-feira, 27 de abril de 2009

Viagem Virtual a Paris!

Paris deixa saudades! Uma viagem virtual para os mais apaixonados!

http://www.everland.ch/fr/panos

Bar do gelo


Estes são os nossos copos de vodka, as luvas e os casacos que nos dão à entrada.
As paredes são de gelo, o bar, as mesas e os candeeiros também.
Chama-se Absolut Sotckolm Ice Bar (percebem o vodka?) e fica no Hotel Nordic Sea, com vista para a rua.
Uma curta experiência (o frio é o relógio) que quem visitar a cidade não deve perder.

domingo, 26 de abril de 2009

Estocolmo














A cidade escandinava de que mais gostei. De ilha em ilha sem nos apercebermos.

Por outro lado, o pior quarto em que pernoitei (felizmente só uma noite). Merece uma pequena descrição: cubículo como casa de banho, onde tomei duche descalça, porque não tinha chinelos de praia; colchão com 2 dedos de altura e que não espreitei para me conseguir deitar; móveis (poucos) a cair de velhos e com remendos (não desfiz a mala); paredes a precisarem urgentemente de tinta; varanda sobre uma das avenidas principais, mas onde não fiquei muito tempo com medo de que não suportasse o meu peso. Hotel cheio. Um pesadelo. Os meus amigos ouviram a descrição (minha e do meu marido), mas pensaram que não devia ser tão mau como o pintávamos. Abriram a boca quando lá entraram.

Para as noites seguintes deram-me um quarto nas traseiras, novo, com jacuzzi ... mas a 1ª noite nunca será esquecida.


Lição: as fotografias enganam!

sábado, 25 de abril de 2009

Sapatinhos

Os lindos sapatinhos







Realmente é de ficar em êxtase!

Viagem à volta do meu lugarejo

Ontem resolvi passear pelo colorido da cidade, pelos odores dourados da hora de almoço.
Aqui deixo um olhar do que não vi, mas guardei, para que outros vissem.



video

Gostei das cores quentes, das sombras andantes, dos olhares fascinados dos estranhos e do cuidado dos da terra.

Fiquei pensando que a beleza é tão efémera e frágil.

Onde fica?




Sabem onde fica?
Duas pistas:
1- Numa cidade sobre ilhas construída.
2 -De onde o frio parte, cheio de saudades. Para onde volta depressa;
Para se aquecer.

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Exposição da festa da flor!




A Natureza é a resposta!
A minha viagem de hoje! Flores ... cheirosas, belas e de muitas cores!

Talin


Dei um pulo à Estónia quando visitei os países nórdicos.
A zona velha tem coisas destas (reparem nos pormenores, ampliando...)
Nas escadas um pedinte com ar de poucos amigos. Lá dentro uma mulher vestida de negro, da cabeça aos pés.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Ilha dourada


Tela à espera de palavras.

Em nome de um deus qualquer


Tunísia - 2007: a mesquita vazia àquela hora faz lembrar medos velhos, estranhos casos de ouvir dizer, olhares lambendo o chão.

Talvez seja o calor. Talvez o deserto louro ali à porta. Talvez seja esta noção de que Alá me espreita atrás das colunas e me pede o que não posso fazer.

Sou étrangère e cubro as pernas nuas de turista que o guardião sorve. Como se. E sinto-me sorrir por dentro:

- Madame,

Espreito. Um deus qualquer vive ali. O meu, talvez. No silêncio fresco de um lugar que, no pino do sol me arrepia os sentidos.

Realidade ou ficção?

Fiz esta viagem de comboio, acompanhando a margem:
'ouve-se' o silêncio e duvida-se da realidade...


Só fiz a viagem uma vez, espero repeti-la muitas...




quarta-feira, 22 de abril de 2009

Coisas da nossa bela MADEIRA

Nova Iorque

Uma das minhas viagens de sonho era NI. Problema: as horas dentro do avião. Finalmente, viagem programada e ... viagem cancelada (teria coincidido com o 11 de Setembro...)

Agosto de 2008. Destino de última hora, depois de planos falhados? A Big Apple, como se ficasse aqui mesmo ao lado...

Avião em terras do tio Sam (não foi tão mau como eu pensava), alfândega ultrapassada (com fotografia à íris e impressão digital),táxi, primeiro vislumbre de uma paisagem familiar (esta sensação acompanhou-me sempre), túnel, 10ª avenida (seria?), hotel, malas desfeitas em minutos e...rua.

5ª avenida, pois claro. Sempre a olhar para cima que, por ali, cimento, ferro, vidro e outros materiais que desconheço são sinónimo de arte (há lugares assim).

Noite. Times Square. Como é que uma overdose de gente e de poluição sonora e visual pode ter tanto encanto? Seria a excitação do 1º encontro? Noutra altura vos direi...












Tom Jobim disse que NI era uma cidade para percorrer de maca. Com os olhos postos lá em cima.

terça-feira, 21 de abril de 2009

A minha viagem aos Açores


Quando me falavam numa ida aos Açores, dizia: "Está bem... um dia." E pensava: verde, verde, vaquinhas, vaquinhas... O entusiasmo era pouco.

Fui a um casamento em S. Miguel e aproveitei para fazer a tal viagem pelo arquipélago (apenas 3 ilhas).

Confirmei: vaquinhas, verde, verde... Minto! Verdes, azuis, castanhos, amarelos, rosas, roxos.... o plural não é suficiente para retratar a paleta de cores daquelas terras e muito menos a forma como se conjugam. Lindíssimo!!!

E os cheiros? Até o das furnas (que lugar espantoso!) apreciamos, porque sabemos que pertence ali.

E a pouca vontade das pessoas para mudarem hábitos em nome do tal progresso que, por muitos lados, vive quase só do cimento? Tive de dar quase a volta à ilha de S. Miguel, porque o caminho que me levaria ao hotel estava interrompido. Razão? Festejava-se um santo e a homenagem precisava da rua. Também fomos (duas vezes) atrás de uma carroça, puxado por um cavalo, que transportava leite que seria entregue à porta dos clientes... imagem pitoresca para os turistas, vida para os nativos.

E as lagoas, tantas vezes protegidas pelas nuvens? já todos vimos fotografias, mas nunca é a mesma coisa...

O Pico, visto do Faial, é majestoso, quando se deixa ver. A ilha homónima é uma pequena jóia. As vinhas no meio da lava merecem uma visita... não provei o vinho, mas não resisti ao queijo.

No Faial, o bar do Peter, claro, a marina, o vulcão dos capelinhos, a caldeira... e, ao longe, S. Jorge e Graciosa.

Gostei desta minha viagem!

Magia

AÇORES!
Onde a força bruta da natureza destrói... para poder desenhar obras de arte.






Perfumes






Recantos na Madeira. Estão escondidos, para deleite de quem os encontra...