domingo, 13 de dezembro de 2009

Beleza indizível

Esta Luz matinal
Enche a alma de alegria.



A nossa ilha tem dias de luz
Duma luz indizível
Branca e ouro
Negro e claro...
Quente e fria,
E como um orvalho matinal
Renovador da vida,
A nossa ilha é Luz
E nas paisagens da manhã
Toda a alma se renova.
Ou desabrocha em poesia.

8 comentários:

  1. O verso "luz indizível" merecia honras de título.

    ResponderEliminar
  2. Isto é trabalho "on line"; gostei da mudança do título, do verso acrescentado e das novas fotos.

    ResponderEliminar
  3. Pois...
    Nem deixas que se aprecie o enquadramento no blogue!
    Quase nem dá tempo a verificar...

    ResponderEliminar
  4. Aprecio a sugestão.
    Ficou bem melhor!
    Obrigado!

    ResponderEliminar
  5. Esta troca de comentários é o que se chama 'professores interactivos' ;)
    (em relação às imagens, um espanto; as palavras, a condizer...)

    (Agapê: please... apaga o que eu não consegui apagar :)

    ResponderEliminar
  6. Toda a beleza é indizível: imagens e palavras brancas e de ouro. Gostei!

    ResponderEliminar
  7. Desculpem, indizível, mas não para todos. Felizmente há poetas.

    ResponderEliminar